Doenças crônicas de Pele: Lupus, Psoríase etc

Como os nutrientes afetam a sua saúde mental
25 de maio de 2012
Fortalecimento dos ossos e cuidados!
7 de junho de 2012
Show all

Doenças crônicas de Pele: Lupus, Psoríase etc

Quase toda doença crônica degenerativa tem sido associada com infecções crônicas e principalmente as doenças de pele, ocasionando inclusive quadros crônicos como doenças auto-imunes, tipo lúpus, psoríase etc.
Lúpus é uma condição auto-imune de etiologia ainda obscura, mas com componente genético, que pode ser neutralizado pela epigenética e há participação de algum agente bacteriano.
As bactérias, ou fungos que mais se encontram em exames de pele no lúpus incluíram os seguintes tipos de agentes:
Staphilococos aureus
Streptococos mutans 
Candida albicans
Capnocyto phagaochraceavi
Fusobacterium nucleatum vii
Gemell amorbillorum
Criptococos neoformans. 
Tratamentos complementares e alternativos para lúpus incluem:
  • Desidroepiandrosterona (DHEA). Suplementos contendo esta hormona tem sido mostrado para reduzir a dose de esteróides necessários para
estabilizar os sintomas em alguns indivíduos com lúpus.
  • Linhaça.Linhaça contém um ácido graxo chamado ácido alfa-linolénico, o que pode diminuir a inflamação no corpo. Alguns estudos descobriram que a linhaça pode melhorar a função renal em pessoas com lúpus que afeta os rins. Os efeitos colaterais da linhaça incluem inchaço e dor abdominal.
  • Óleo de peixe. Suplementos de óleo de peixe contém ácidos graxos ômega-3 que podem ser benéficas para pessoas com lúpus. Estudos preliminares têm encontrado alguma promessa, embora mais estudos são necessários. Os efeitos colaterais dos suplementos de óleo de peixe podem incluir náuseas, arrotos e um gosto de peixe na boca.
  • Vitamina D. Há algumas evidências que sugerem que as pessoas com lúpus podem beneficiar de suplemento de vitamina D.
 
É fundamental entender a importância do nosso meio interno, pois ocorre também a transformação bacteriana no nosso organismo, e estas observações levaram a constatação do pleomorfismo entre os agentes infecciosos, assim sendo uma simples E. coli, que normalmente vive no nosso intestino, pode migrar à circulação geral, devido a mínima alteração da permeabilidade intestinal, por disbiose e daí pode vir a sofrer alterações transformando-se em um fungo tipo Cândida albicans se o meio estiver ácido e oxidado, ou em Herpes virus, se o meio estiver alcalino oxidado.
A psoríase é uma doença de pele não contagiosa que pode ser contratado por qualquer pessoa no mundo, independentemente da idade, sexo ou raça. Esta condição é caracterizada por pele escamosa vermelho e flocos secos. Reprodução rápida das células da pele é a anomalia que forma estes sintomas, desencadeada pelos linfócitos anormais no sangue. Pele nos cotovelos, joelhos e couro cabeludo estão entre as primeiras regiões a apresentar estes sintomas.
A causa da psoríase é ainda obscura.
Predisposição genética e fatores ambientais (clima frio de ser um fator de risco) têm sido reconhecidos como fatores que contribuem.
De acordo com a medicina tradicional chinesa, a pele tem sua regência pelos pulmões e parcialmente pelo fígado e intestino grosso. Portanto esses órgãos e correspondentes vetores energéticos devem ser tratados.
A deficiência de vitamina D está entre uma as causas da psoríase. Luz UV terapia e tratamentos de vitamina D são o que são popularmente prescritos pelos médicos hoje para tratar a psoríase.
Pesquisa realizada e os resultados registrados mostram que a garantia de níveis saudáveis de vitamina D no organismo pode ajudar a tratar a psoríase.
A vitamina D é em grande parte obtida pela exposição controlada ao sol.
Na prática clínica as mais variadas condições clínicas envolvendo a pele podem surgir, daí a necessidade de uma avaliação completa, além de exames complementares e corroborada pela cinesiologia aplicada, ou BDORT e com a bioressonância, assim sempre é possível se detectar a participação ainda que parcial de um agente contaminante, nas doenças crônicas em geral e em boa parte das doenças mentais, que podem estar juntamente  presentes, além da orientação alimentar, pois a alteração da permeabilidade intestinal é outra fonte de toxicidade manifestável na pele.
Terapia com Suplementos: 
A terapia diária, deve ser estabelecida de acordo com os dados clínicos, orientação oficial e ainda rechecados através da bioressonância
1)B1
Cloridrato de tiamina:
300 mg a 500 mg, 30 minutos antes das refeições e durante a noite
2) B3
A niacina (ácido nicotínico).  Recomendamos 100mg de 3 gramas, trinta minutos antes das refeições e durante a noite
3)
Piridoxina (vitamina B6):
A falta desta vitamina demonstrou
induzir anemia hipocrômica microcítica e
lesões neurológicas.
4)
cobalamina (vitamina B12):
B12 é reconhecido como um factor na síntese de mielina.
5)
Ácido ascórbico (vitamina C):
6)
A riboflavina (vitamina B2):
7)
A vitamina E
8)
Óleo de Fígado de bacalhau:
9)AMP
Ácido adenosina-5-monofosfórico:
10)
Colina: 700 mg a 1400 mg depois de cada refeição e a noite
11)
Lecitina:
Damos 1200 mg. Lecitina de feijão de soja após cada refeição.
12)
Magnésio:
100mg. depois de cada refeição para fornecer iões adicionais para a actividade muscular. É um activador da enzima.
13)
Gluconato de cálcio
14)
Pantotenato de cálcio:
A forma fisiologicamente activa de ácido pantotênico é coenyzme A. Sua acetil
derivado (acetil-CoA) é sinônimo de acetato ativa.
Transformações metabólicas são muito complexos e envolvem
numerosas enzimas e coenzimas. Coenzima A PARTICIPAÇ
ES na acetilação de aminas. O ácido pantotênico
coenzima desempenha um papel vital no metabolismo de carboidratos e
acetil transferência também ocorre no metabolismo do gordo
ácidos. Nós dar 200 mg. depois de cada refeição e na cama hora.
15)
Aminoacético (glicina):
Glycine entra em uma variedade de funções.
16) Certifique-se que a hemoglobina seja de pelo menos 13 gramas.
17) Pode ser indicada uma dieta rica em proteínas com dois a três ovos no café da manhã.
18) Taurina
19) gluconato de zinco: 10 mg. três vezes cada dia.
                             
  • Demais Tratamentos (Acupuntura e Homeopatia) 
Existem inúmeros relatos clínicos e dados científicos de melhora da evolução de Doenças Crônicas da Pele (Lúpus, Psoríase e etc) através da associação da homeopatia e acupuntura,  devendo ser usadas somente sob a supervisão, e/ou consulta de um profissional de saúde qualificado.  
Claro que essas e demais possibilidades devem antes ser checadas através de dados clínicos, anamnese completa, além de exames complementares, podendo incluir o eletro-escaneamento, microscopia e a bioressonância, para termos certeza das melhores opções terapêuticas. E também sem nos esquecermos dos fatores predisponentes, ou desencadeantes que levaram a este quadro clínico, o que pode requerer o acompanhamento de especialistas. 
Referências: 
http://www.mayoclinic.com/health/lupus/DS00115/DSECTION=alternative-medicine
http://remediesforhealth.wordpress.com/2012/11/30/enough-amount-of-vitamin-d-can-improve-psoriasis/
http://www.townsendletter.com/Klenner/KlennerProtocol_forMS.pdf
print

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *